Sinopse

Sob o ambiente árido e muitas adversidades, o produto cultural do nordeste brasileiro e alimentado pela fantástica combinação das tradições indígenas, africanas e europeias da idade média. O filme, em desenho animado, reproduz esse rico universo cultural relatando a história de um fazendeiro orgulhoso, cujo poder é desafiado sete vezes pela figura fantástica do Boi Aruá ou Boi Misterioso. O fazendeiro tirano, todo poderoso, é derrotado 6 vezes, até que na última peleja consegue compreender a real dimensão humana, aproximando-se de si mesmo e dos seus semelhantes. No mesmo estilo das gravuras que ilustram os folhetins de ”cordel”, literatura popular da região. O antigo lema, gravado em seu escudo feudal, com a típica linguagem regional dos dominadores do nordeste – “Eu por primeiro, os amigos por derradeiro” transforma-se então, em “Os amigos por primeiro, eu por derradeiro”.

Direção

Francisco Liberato

Cineasta, diretor/animador de 12 curta metragem e 2 longas metragem. O filme Boi Arua o primeiro longa metragem em desenho animado do Norte, Nordeste e Centro –Oeste, e o quinto longa nesta técnica no Brasil, recebeu os seguintes premios: Menção Honrosa no I Fest Rio e Menção Honrosa do Centro Internacional da Infância e Juventude/ Moscou – Rússia. Contemplado com o selo do CIFEJ (Centre International du Film pour lÈnfance et la Jeunesse) “Referência de Valores Culturais para a Infância e Juventude”, prêmio da UNESCO. Finalizou em 2014 o segundo longa em desenho animado das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o filme Ritos de Passagem, selecionado nos Festivais de Havana, Festival do Rio, Festival Internacional de Lisboa, entre outros.

Gênero: Animação
10+
nordeste cultura popular imaginário cordel

Créditos

Diretor/animador: Chico Liberato
Roteiro e diálogos: Alba Liberato
Trilha sonora: composição e regência de Ernest Widmer; Execução: Orquestra Sinfônica da Universidade Federal da Bahia. Canção tema: composição e interpretação de Elomar.

Outros filmes